31/12/2015

que 2016 seja coisa alguma

E foi mais uma ano, e vai mais um texto. Um daqueles que não dizem nada mas significam tanto.
Um último adeus, uma última olhada para tudo o que passou.
Foi um ano estranho. Des ordenado organizado mebrado. Tudo parecia fluir ao contrário do fluxo comum. Mas sabe? Foi bom. Foi bom ter sido assim.
O aglomerado 365 dias acaba hoje. Daqui a pouco. em alguns lugares até já acabou. O que sobrou disso tudo? Um monte de ontens que não significam mais nada.

Vou deixar tudo para trás porque há pouco o que se aproveitar no agora, e desejar que tudo venha, tudo de novo. Tudo igual, tudo diferente.

Dois mil e quinze não deixa saudade. Deixa a luta, deixa a dor, deixa a esperança deixa tudo inclusive me deixa.

Adeus 2015, e que venha 2016, e 2017 e a eternidade toda de uma vida limitada.

30/12/2015

retrospectiva 2015

eu fiquei viva

e é, por um instante, o que importa

adiantado adeus de 2015

jogar no mar e deixar levar
o atlântico que se encarregue
de deixar em cada continente
o que passou.

nas ondas, se vierem,
que venham com o futuro
a sorte de seguir e frente
mesmo que aqui.

passa o tempo
passa a hora
passa o ano
e nunca volta
só não passa a esperança
de que amanhã
será tudo novo de novo
outra vez.