05/08/2015

Eu não nasci pra ler coisas inteligentes

Uma coisa que me intriga é que, dos poucos livros que eu não consegui terminar, a maioria é considerado grandes coisas. A Insustentável Leveza do Ser, O Morro dos Ventos Uivantes, e provavelmente, A Laranja Mecânica estão nesta listinhas. Um outro, bem, é Augusto Cury, mas eu duvido que alguém realmente consiga ler algo dele.

Tem gente que olha torto pra mim quando eu, uma menina tão inteligente, fala que lê John Green, e que adora a escrita da Alyson Noël - nesse caso, até eu me julgo, mas, tanto faz. Fato é que o que a pessoa lê não define inteligência, personalidade grau de cultilidade. Mas todo mundo acha que sim. E por isso, me sinto uma fracassada por não ter conseguido terminar um grande clássico e grande coisa de amor que é O Morro dos Ventos Uivantes. Na verdade, eu não consegui passar da página quinze.

Agora, enquanto luto com o vocabulário hard de Laranja Mecânica, isso me voltou. Todo mundo fala que acostuma depois de um tempo.

Acostuma o cacete.

Algumas palavras eu já sei o que significam numa boa, principalmente as mais usadas durante o livro. Mas é um tédio. É maçante. A história é encantadora (dentro do possível, sabe?). Melhor dizendo, a história é horroshow. Mas que livro chato.

Luto com ele, e já cheguei na metade. Tô conseguindo ficar mais perdida do que quando li um livro em inglês - com meu péssimo inglês. Mas resisto bravamente. E dessa experiência, eu tenho um sugestão que contradiz todas as leis da lógica, do bom senso e da vida: assista ao filme em vez de ler o livro. Cê entende bem mais e vive bem mais feliz.

Beijinhos da Duda que não sabe mais escrever mas que sente falta do bloguinho de ficar falando mal/bem dos livros que leu. Beijinhos.

4 comentários:

  1. "ato é que o que a pessoa lê não define inteligência, personalidade grau de cultilidade" AS PESSOAS DEVIAM TATUAR ISSO
    E olha, dá mais uma chance pra O Morro dos Ventos Uivantes, o começo é um porre, cê não entende merda nenhuma mas depois encontra as melhores citações referentes a amor adoidado do U-NI-VER-SO, supera qualquer YA em nível de exagero. E eu, particularmente, amo exagero.
    beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. um dia, quem sabe? mas, argg, eu quase dormi no meio da aula lendo as primeiras páginas............

      Excluir
  2. Nossa, esse post me define. Na boa.

    Eu sempre tive esse pensamento de que o gosto literário de uma pessoa não define sua inteligência, personalidade ou grau de cultilidade, embora todo mundo ache que sim. Por isso eu me sentia solitária. Agora ver isso escrito aqui me fez sentir numa espécie de abraço. Vem cá. <3

    Depois que tentei ler "O Morro dos Ventos Uivantes" e demorei mais de um ano (literalmente) pra chegar na metade do bichinho me desesperei. Pensei que estaria fadada aos YA (e achava isso meio pejorativo) e que seria vista como menos inteligente por isso. Mas depois de ler e me apaixonar pelos livrinhos do John Green e CIA eu toquei o foda-se e resolvi ler o que eu gosto sem me importar com o que os outros pensam.

    Depois de um tempo, percebi que tudo é fase. Acabei tropeçando pel'A Insustentável Leveza do Ser e, por ter lido na hora certa, consegui mergulhar na história e entendê-la sem esforço. A leitura fluiu. Mas tenho certeza que se tivesse esperado um pouco mais ou começado a leitura um pouco mias cedo, não teria dado certo. Por isso te aconselho a esperar um tempo e dar uma nova chance ao livro. Se não rolar, beleza, tem mais uma fila de livros esperando para ser lidos.

    Ah, isso me lembrou de dar uma chance ao morro dos ventos uivantes. Quem sabe.

    beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Insustentável Leveza do Ser eu nem achei achei assim,ruim, chato ou sei lá. só não achei impressionante! E ok, eu leio todos os livros que eu não acho impressionantes mas dá para ler, porém, meu exemplar é daqueles surradinhos de cinco reais de sebo, e a alergia falou mais forte! Não era bom o suficiente para levar em frente tanta tortura, olhos inchados e narizes escorrendo escorrendo. Tenho até interesse de, algum dia, quem sabe, tentar de novo, num exemplar com menos coleguinhas ácaros, mofo e ect etc etc. Quem sabe um dia eu consegui (e quem sabe um dia eu consigo ler o morro dos vendos uivantes, mas é hard socorro ldçlas)

      Excluir

Comente, não temos super poderes - uma pena - para acabar com você. Mas diga, e se o Skywalker usasse a Contracorrente e Percy um Sabre de Luz?