28/06/2015

primeiro se vai.
as imagens os sons os atos
guardados
para todo o sempre.

depois se lembra
longamente
do que nunca vai voltar.

o som se esvaí
seguido da lembrança
e num último lampejo
sobra apenas um vislumbre na retina.

01/06/2015

afundando

Esses dias eu terminei de ler Jogador número 1, e ele me deixou triste. Reflexiva.

O livro se passa num futuro não tão longe assim, e as coisas estavam uma tremenda merda. E o que salvava? A realidade nada real online. As pessoas eram, basicamente, movidas por um joguinho, estilo IMVU bem bosta. E eu parei pra pensar que a gente não tá tão longe de uma grande merda dessas.

Se as coisas são bem ruins agora, daqui uns anos, estarão bem piores.

Quanto pessimismo. Mas eu, a menina que fica metade do seu dia jogando Stardoll, não quero viver num mundo baseado numa vida que não é real.

E nós estamos vivendo mais, com mais saúde, com mais avanços, e ao mesmo tempo vivendo menos.

Ai que chato.