30/04/2015

O mar

andei espremendo uns limões pra fazer um suco
e seguir a vida de onde eu parei.
andei ouvindo novas músicas
e espelhando os raios solares no quarto escuro e
um vinil quebrado jogado no canto da sala.
andei sentindo falta da brisa 
da calma 
do balanço e 
da falta que você me faz. 
meu coração bobo 
apaixonado 
balança
se joga
infame
com fome de amar.
não te quero de volta 
te quero lembrar 
te quero longe 
te quero sabendo que algum dia essa brisa 
esse balanço 
esse vento 
essa emoção de me sentir na dança 
já me fez parte por você existir. 
quero a conformidade
a uni for mi da de
a vida nova e
                          a brisa leve.
quero a dor de cabeça do esforço
a calma da alma e a
paz de espírito.
quero ouvir as músicas
os sons e o respirar de alguém bem pertinho de mim.
mas quero sentir tudo isso de novo sendo nova.
e feliz.



24/04/2015

por que a gente pensa? para afundar?
por que as coisas existem? para machucar?
por que dia e noite? para tudo acabar?
por que tempo? para se errar?
por que perguntas? pra gente pensar?

grande droga de dia.

é isso aí humanidade


18/04/2015

myself*

a blank space
nothing to say
are not in my face
but there's a lot to pay.

do not have stars in the sky
because there's not the blue
there's no sun high
because there's no true.

the shine is dark
no one can see
one hundred is the mark
but myself i cant be.

i dont really know
wich color is my soul.
not black, not brown,
but baby, i'm going down.

the future floats in front of me
i cant stand listen to it
someone is running, is she
it's sad, but its a beat.

the last one
the last breath
there's nothing gone
there's no if.

*eu escrevi isso de acordo com um trabalho da Henna da aula de escrita criativa. Era pra escrever um poema sobre você falando como as pessoas te viam. No fim, eu interpretei mal e fiz uma coisa meio dark demais, misteriosa. E era só pra por "Fulaninho gosta de milho cozido." Mas é a vida

12/04/2015

02/04/2015

esperamos que tudo passe

Eu sou dessas que acreditam que tudo na vida acontece com um motivo. Talvez não aconteça com um motivo, mas que influencie boas coisas que podem acontecer no futuro.

Esse ano, nada foi como deveria ser de acordo com a minha rotina e planos. Eu tive que mudar de turno na escola, parar um ano o curso de inglês, andar com gente com a qual não me identifico na escola, o novo álbum do Vaccines não é tão bom quanto eu achei que seria...
Mas tudo passa, certo? As coisas, acabam, e então começam novas coisas, e elas vão criando a dinâmica da vida. Se o que vem depois é bom? Ah, não sei. Só sei que espero esse depois chegue logo na minha vida.

Eu as vezes penso como vida é boa. Eu nunca tive um problema na escola, sempre fui a aula estrelinha dourada. Sempre fiz as coisas do melhor jeito possível. Sempre fui o mais gentil possível - embora esse dentro do possível não seja exatamente o grau certeiro de gentileza -, e sempre tentei me meter só no que eu definitivamente fui chamada. Ou seja, maldita vida chata. Morno. Mas tudo sempre deu certo, e é isso que importa.

Meu medo sempre foi de que eu não soubesse fazer mais nada além de ser tímida, e como consequência disso, boa aluna. E ontem eu percebi que eu sou exatamente só isso: boa aluna. E percebi mais uma coisa: eu adoro ser boa aluna. Não há nada que inflame mais meu ego aquariano do que um elogia a respeito da minha inteligência.

Enquanto todos as pessoas que eu consigo realmente conversar estão longe - ou nem tão longe - de mim na verdade, e a única coisa que podem me elogiar é como eu terminei rápido minha tarefa, e por incrível que pareça, está tudo certo, e que minha doll é linda, eu sei que estou pisando em terreno conhecido. E que não tem mais muito o que eu faça pra ser melhor ou não. Enquanto tudo o que eu falo é sobre meu mundinho particular, cara, tá tudo bem.

O ano já tá quase na metade, e nada aconteceu.
Mas como todo mundo, eu também vou sobreviver. E como eu já disse, um dia eu vou agradecer por ser uma das pessoas mais sem graça que eu já conheci na minha vida. Quem sabe isso não tome um rumo legal, não é?

Mas enquanto anda acontece, eu fico cantando English Tongue eternamente. Por que cara, eles estão de volta! Nhhhhaaaaa!