19/04/2014

ssssó quem sabe eu não vou

Já houveram tempos em que eu acreditava em tudo. Tempos em que qualquer coisa virava um parágrafo e em que eu confiava. Em que eu ouvia qualquer música e botava palavras no papel e sentia que o mundo todo era completo. Porque era só isso que faltava. Eu gosto de expressar tudo. Eu gosto de escrever, mesmo que não seja certo. Eu gosto de rabiscar as últimas folhas do caderno com poemas que nunca serão terminados e de ouvir músicas de término de relacionamento, mesmo que eu não esteja envolvida em nenhum. Talvez essa seja a grande virtude do mundo. Assim como você, como todo o mundo, eu fantasio a vida mais do que deveria. Costumo acreditar que ela é um conto de fadas. Costumo tentar parecer melhor. Costumo. Eu nunca vou parar com isso. Assim como você também não vai. Porque fantasiar a vida é um prazer inigualável. Porque pensar que tudo é lindo e que tudo vai dar certo e que sua vida é um livro da Stephanie Perkins é muito melhor do que simplesmente lidar com os fatos. Eu não digo isso porque tenho problemas ou porque sou uma garota complexada de quinze anos. É só porque é tudo assim. É só porque eu talvez quisesse ser um submarino minúsculo pra mergulhar dentro dos outros e porque todo o mundo quer um pouco de atenção. Bem, eu quero atenção.
Talvez eu devesse parar por aqui. Eu gosto de ler o que escrevo meses depois, mas acho que vou ter que me conformar com esse término. Mas eu sempre volto atrás.
And I spent all my life stuck on the puzzle.

Um comentário:

  1. Awn, o que mais amei foi o trecho de stick on the puzzle!

    ResponderExcluir

Comente, não temos super poderes - uma pena - para acabar com você. Mas diga, e se o Skywalker usasse a Contracorrente e Percy um Sabre de Luz?