29/04/2014

o mundo é simplesmente uma merda.

e eu cheguei a uma conclusão já chegada.

e fim.

25/04/2014

É de geração?

Pessoas, durante essa semana eu filosofei muito, pensei coisas toscas e coisas não tão toscas. Mas hoje a minha filosofia foi tão inspiradora que até decidi escrever. Durante a aula de biologia meu professor começou dar uma lição de moral na minha sala, e eu acho que cada palavra que aquele homem disse é a mais pura e triste verdade. Ele falou que nós, adolescentes dessa geração somos muito passivos, acomodados. Quando ele era adolescente, a geração tinha lutar pra conseguir ser feliz, ouvir músicas era muito difícil, ler era algo inacessível, e eles enfrentavam as dificuldades para conseguir se divertir.

Nós temos tudo na mão, tudo o que nosso pais não tiveram, eles dão pra nós rapidinho. Nos mimam e acabam exagerando nisso. Temos acesso a vários aparelhos eletrônicos, comida boa, liberdade de expressão, temos músicas o tempo todo. Isso faz com que não damos o devido valor para as coisas, faz com que não temos problemas na vida. Disse também que todas essas turbulências que temos na adolescência é natural, e não adianta ficar tomando remédio, o negócio é ir carpir um terreno!

Quando ele terminou de falar, uma menina disse que nós não lutamos e não brigamos por nada porque não temos um motivo para isso. E isso ficou na minha cabeça. Realmente, o que tem de errado nas nossas vidas? Falta de tempo, cansaço, preguiça, estresse, o fato de que temos que estudar? Mas por que estudamos e dedicamos tanto tempo aos estudos? Para passar no vestibular, é claro! E eu pensei, o vestibular é o grande vilão! Já que nossas vidas são perfeitas, não temos dificuldades, conseguimos tudo o que queremos e somos acostumados a ouvir só o "sim", vamos fazer com que esse negócio que possibilita o "não" seja o problema!

É até estranho pra mim, o que vou escrever agora, mas é a verdade! Há dois anos eu sou uma completa pirada com essa possibilidade do "não", eu sempre busquei ser perfeita para os meus pais, e para todo mundo. Me estressei e irritei todos a minha volta (Clara e Duda sabem bem do que estou falando), e agora que estou no terceiro ano, eu estou, como posso falar... "preguiçosa"!

Acho que já pirei muito por algo que é tão banal comparado a outras situação da vida. E se eu não passar na universidade que quero? Daí não passei e pronto. Todo mundo fracassa, todo mundo erra, e quando isso acontece temos que buscar nos levantar, mas por que não posso ter um "não"? Se eu passar, ótimo! Não estou dizendo que joguei tudo para o alto e que a sorte me ajude! Não. Estou estudando, e muito, mas não estou enlouquecendo, ainda tenho uma vida além da escola, estou vendo que a vida é muito mais do que uma prova, e eu sou uma mísera pessoa no mundo.

Outra coisa que filosofei essa semana, e que conclui o que falei -ou não- é que se pararmos pra pensar, estamos morrendo. Todo mundo começa a morrer a partir do momento em que nasce. É a lei. Tudo o que nasce morre, e não tem como fugir disso. Então já que estamos em uma caminhada rumo ao banquete de microrganismos, por que não viver sem se preocupar tanto com coisas banais e fúteis? Por que não nos admitir errar e perder? Por que? Por que tentar ser perfeito? Bom, são essas as perguntas que para mim ficam sem respostas, mas que podem mudar meu modo de agir e pensar. Vamos agradecer mais,dar mais valor para tudo o que temos e reclamar menos, porque infelizmente, poucas pessoas nesse planeta tem isso.

22/04/2014

11/04/2014- Gêmeas

Bom, minha gente, primeiro quero pedir desculpas por não ter postado dois trotes, e ter atrasado esse, mas posso explicar! Um dia eu faltei, no outro foi de sertanejo, e eu não achei criativo o suficiente pra postar aqui. Tipo, o que calça jeans, camisa xadrez e bota tem de mais?  E esse eu demorei pra postar porque na sexta que foi o trote eu tive simulado a tarde inteira e esqueci, daí viajei e ficou...

Agora pretendo voltar a postar certinho, e pra recomeçar, o trote do dia onze foi gêmeos. Na véspera do trote, eu e minha amiga combinamos que não íamos de gêmeas porque não havíamos combinado, então deixamos quieto. No dia seguinte eu peguei uma roupa normal e confortável pra fazer o simulado a tarde, já que não ia pra casa almoçar. Cheguei no colégio, paguei a "multa" de quem não vai fantasiado e pronto.

Mas eis que quando a minha amiga entrou na sala, vi que estávamos parecidas. Éramos gêmeas! E foi só festa e alegria, tínhamos que contar que nem combinamos e fomos igual. E a professora de sociologia também estava igual, éramos TRIgêmeas! Nosso look foi calças jeans skinny azuis, camisetas brancas e sapatos vermelhos (bem simples, porém incrível para nós!).

Eu e Gabi sendo gêmeas e divas!


Nossas camisetas brancas (a minha amarrotada por causa do casaco que uso na cintura)

Sapatos vermelhos e calças sem nada de mais!

E por último: nóooos!!

Bom, é isso! E aguardem, porque na sexta tem mais...


19/04/2014

ssssó quem sabe eu não vou

Já houveram tempos em que eu acreditava em tudo. Tempos em que qualquer coisa virava um parágrafo e em que eu confiava. Em que eu ouvia qualquer música e botava palavras no papel e sentia que o mundo todo era completo. Porque era só isso que faltava. Eu gosto de expressar tudo. Eu gosto de escrever, mesmo que não seja certo. Eu gosto de rabiscar as últimas folhas do caderno com poemas que nunca serão terminados e de ouvir músicas de término de relacionamento, mesmo que eu não esteja envolvida em nenhum. Talvez essa seja a grande virtude do mundo. Assim como você, como todo o mundo, eu fantasio a vida mais do que deveria. Costumo acreditar que ela é um conto de fadas. Costumo tentar parecer melhor. Costumo. Eu nunca vou parar com isso. Assim como você também não vai. Porque fantasiar a vida é um prazer inigualável. Porque pensar que tudo é lindo e que tudo vai dar certo e que sua vida é um livro da Stephanie Perkins é muito melhor do que simplesmente lidar com os fatos. Eu não digo isso porque tenho problemas ou porque sou uma garota complexada de quinze anos. É só porque é tudo assim. É só porque eu talvez quisesse ser um submarino minúsculo pra mergulhar dentro dos outros e porque todo o mundo quer um pouco de atenção. Bem, eu quero atenção.
Talvez eu devesse parar por aqui. Eu gosto de ler o que escrevo meses depois, mas acho que vou ter que me conformar com esse término. Mas eu sempre volto atrás.
And I spent all my life stuck on the puzzle.

15/04/2014

Sobre um dia de bom humor





 
Eu tenho que admitir que tem uns dias que eu sou insuportável. Mas eu não me culpo. E felizmente, hoje não foi um dia desses.

Eu acordei lá pelas cinco, e fiquei lembrando que eu tinha combinado de levar café hoje na escola, já que ontem tava friozinho, com vento, e tudo mais, o esperado era que hoje estivesse também. Mas não. Na hora do recreio devia estar uns 25º, e eu só fiquei de blusa porque não existe ficar na escola sem blusa - e porque minha camiseta do uniforme estava suja, mas ninguém precisa saber... -, mas mesmo assim, todo mundo naquele clima de piquenique improvisado, com cookies e bolachinhas salgadas, pegamos o copo plástico - sim, eu tomei café num copo plástico! -, colocamos café, rimos da cara feia que todo mundo fazia por esquecer de colocar açúcar, falávamos para as mil e duas pessoas que vieram até nós pedir café que não tinha mais café, falamos de chocolate, inventamos um amigo chocolate, falamos qual chocolate cada uma queria, e foi um bom recreio. Então eu entrei na sala, fique falando falando de nada, rindo da borracha com boquinha chamada Roulinda - eu que inventei esse nome divo! - e fui embora. então fiquei lambendo as colheres da mousse de chocolate que minha estava fazendo, ouvindo a conversa da cozinha, esperando a água ficar boa. Antes disso eu tinha falado sobre o clima, e ouvido sobre o clima da Finlândia nesse momento, e parecia que hoje tava todo mundo bem, e que tudo estava muito bem.

O dia ainda não acabou, mas acredito que só coisa boa vem. Aliás, nunca nenhum dia começou bem e terminou mal. Não completamente, porque aliás, os meus dias bons sou eu que faço. Digo, se eu acordei de bem com o mundo, eu empresto meu caderno e fico feliz pro ter ajudado o filho da mãe a ficar sem fazer nada, não fala nada quando a Ana me vem com uns assuntos bestas as sete e quinze da manhã, ou quando ela acende a luz nos meus vinte minutos de descanso entre me arrumar e ir para a escola, e tudo isso parece ótimo.

Enfim, hoje foi um bom dia. Palmas.

*as molduras são molduras de polaroid. shito.*

littleteashi:  Coffee filled with Cosmos.



Acho que dia so foi lindo assim porque, desde de cedinho, meu café estava junto de mim. Café é magia!

04/04/2014

Seus olhos negros como o céu pré-tempestade
me fitam com um ar melancólico e oculto.
Seus cabelos desgrenhados como as folhas caídas do outono,
despertam em mim inédita curiosidade.
Seus ombros levemente inclinado como frágeis galhos
transmitem seu cansaço incontrolável.
Seu monótono ar de simplicidade,
se iguala a um domingo triste e chuvoso.
Quero ser contaminada com sua segurança e estabilidade.
Estar perto de você me traz tranqüilidade e calma,
mas nossos passos marcados ainda não se encontraram.
Então enquanto viajo nos rios da minha imaginação,
aguardo a noite estrelada das nossas vidas.

02/04/2014

Não demore...

É provavelmente mais um efêmero sentimento,
um sentimento avassalador, que tem o poder
de transformar qualquer pessoa.
Não sei se o que sinto é medo, ansiedade,
angústia, curiosidade, ou até mesmo desejo.
Só sei que quero que chegue logo,
chegue pra ficar.
Quero que seja bom, seja único.
Pretendo fazer o que gosto de fazer
sem me importar com o amanhã,
e sem me importar com a opinião alheia.
Eu sei que preciso viver isso,
e não quero mais esperar.
Quero que seja agora, que seja já.
Então, por favor, venha logo,
não demore, pois estou lhe esperando,
férias minha amiga!

Muito tosco isso que escrevi, mas eu precisava botar pra fora. E o sentido tem uma certa ambiguidade oculta...