14/11/2013

Sobre pessoas que fazem falta, filmes da Disney e blá blá blá

Afterlife by Arcade Fire on Grooveshark
Acontece mais ou menos assim: a vida é engraçada. A gente acha que tem tudo pra dar erro, pra bugar, pra não andar pra frente. Mas né, se não tivessem coisas bugadas na vida, eu duvido muito que teria alguma graça. Ultimamente ando dizendo que tudo é bugado, e que tudo tem algum problema. E que tudo é maluco e que inclusive, eu sou maluca. Só que é porque - voltando à todaquela coisa de "good vibes for u" - eu tô sentindo um great feeling in my heart que não consigo explicar. Tá legal, eu sei disso.

Tenho um grande amigo, que conheço desde o começo desse ano e que só virei amiga um pouquinho antes das férias de inverno. Acho que ele é uma das únicas pessoas que realmente me entendem nesse mundo. Porque ó, o boy é bugado também. Tem muita coisa louca. Os santos batem, sabe? Um dos únicos pra quem eu conto muitas coisas. Conto pras minhas amigas também, mas é que é diferente. Ter conselho masculino é sempre bom. A gente passou um bom tempo longe; pode ser pelo fato de eu ter mudado de turno no colégio e a gente quase não se ver mais, ou sei lá. O fato é: a gente percebe o quão importante a pessoa é na nossa vida quando fica longe dela. Mesma coisa a vovó. A gente percebe o quanto ela faz falta quando não tem mais ela, com aquele sorriso frouxo, sempre esperando a gente na cadeira de balanço. Não é a mesma coisa.

O legal de fazer amigos é que você sempre tem do que rir. O legal de fazer amigos é que você se sente importante e acha que pode mais. Sempre tem um incentivo, bom ou ruim. O que importa é sempre ter e poder contar. Eu falei no twitter que adoro ter amigos. E isso é realmente verdade. Porque vejam bem: na minha sala, formei vínculo com um pessoal do bem, que zoa, que não quer nada com nada, mas que na real, é mega preocupado com o que vai ser da vida. Sempre tem o piadista que faz muitas piadas ruins, os bobos e o resto dos bobos. Mas isso não importa e eu não tô falando de ninguém específico.

O verão tá de volta, e daqui uns dias todo aquele chororô de "ah meu Deus, o ano acabou, assinemos camisetas e choremos um no ombro do outro porque morreremos de saudade e até ano que vem blá blá blá". Sempre tem isso, né não? E todo ano a mesma coisa de esseanofoiomelhoranodaminhavida. Claro que a gente aprende muito, fica um ano mais velho, cria expectativas e faz dessas expectativas coisas boas. Aprende com os erros, dá uma choradinha e grita com a mãe, e fica de castigo por isso e depois vê que tudo não passou de um sonho de bolo com leite.

E o mais engraçado disso é que a vida é bela. É linda. Tem livros pra gente ler, filmes pra gente assistir, músicas pra gente ouvir, histórias pra gente contar. A vida sempre vai ter alguma surpresinha guardada. Sempre vai mostrar a felicidade pra gente, cedo ou tarde. Sempre vai deixar alguma história legal pra gente contar prozamigo e fazer eles rirem um pouco (ou não, como no meu caso, néahm?). Sempre vai fazer a gente rir da piada boba que o primo conta. Sempre vai surpreender com novas pessoas que você nem imaginava um dia.

Eu gosto de dizer que a vida é um eterno filme da Disney. Daqueles do high school, da mocinha e do jogador de basquete. Do musical. Da casinha na árvore. Porque lá é tudo bonito, mas o casal sempre se ferra pra poder ficar junto, e nananinanão, não é perfeito. Filmes da Disney, por mais que você diga que não goste, quando passar na globo você vai fazer a pipoca e correr pra frente da tevê só pra assistir; as vibes são boas, as músicas são massas e o sorrisão na cara sempre aparece.

Um dia, amores, o cara vai dar um beijo na testa de vocês e falar nossa que legal Lemonade Mouth. Você vai rir com ele e vai tomar coca com crostinhas de gelo. Porque você vai achar, finalmente, o seu filme da Disney. E talvez ele tenha o topete do Alex Turner, ou o rostinho angelical do Ezra. Ou seja apenas alguém que você acha que é.
Untitled
(não é um filme da Disney, mas é um dos romances mais coisa kirida da vyda)
(gostei de escrever isso, mesmo estando no nexo)

4 comentários:

  1. Lindo, Incrível.
    Que que a senhorita começou aceitar o amor ágape na sua vida.
    "Claro que a gente aprende muito, fica um ano mais velho, cria expectativas e faz dessas expectativas coisas boas. Aprende com os erros, dá uma choradinha e grita com a mãe, e fica de castigo por isso e depois vê que tudo não passou de um sonho de bolo com leite."

    ResponderExcluir
  2. De todos os textos seus que já li até hoje, esse foi um dos que mais me fez ter vontade de imprimi-lo e colá-lo na parede pra eu poder ler sempre que quiser. Não tenho como colocar em palavras o quanto eu devorei e o quanto eu tive que relê-lo para conseguir segurar todas as palavrinhas dentro de mim, como se eu fosse uma barragem e esse texto uma cachoeira querendo seguir o curso. Sem mais.

    http://onlyb13.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus, obrigada por esse comentário, de verdade!
      Esse foi importante pra mim, e acho especial quando alguém fala que foi um dos melhores que já leu!
      Obrigada, MESMO! <3

      Excluir
  3. OH ANINHA, QUANTAS VERDADES.
    Abriu os olhos, porque nunca vi como é bom ter amigos, e dessa de filmedaDisney avidaébela eu já sei, mas é difícil aprender, a gente dá mancadas, né? Fazer o que, é pra aprender.

    ResponderExcluir

Comente, não temos super poderes - uma pena - para acabar com você. Mas diga, e se o Skywalker usasse a Contracorrente e Percy um Sabre de Luz?