25/11/2013

Tão eterno quanto Harry Potter

Untitled
"Não é que fôssemos amigos de longa data. Conhecemo-nos apenas no último ano da escola. Desde esse momento estávamos juntos a qualquer hora. Há tanto tempo precisávamos de uma amigo que nada havia que não confiássemos um ao outro. Chegamos a um ponto de amizade que não podíamos mais guardar um pensamento: um telefonava logo ao outro, marcando encontro imediato. Depois da conversa, sentíamos-nos tão contentes como se nos ti­vés­se­mos presenteado a nós mesmos."
Clarice Lispector

Fui presenteada quando conquistei a sua amizade. Eu já disse muitas coisas pra você, mas parece que nada é o suficiente para agradecer tudo o que você me proporcionou nesse ano. Não vou colocar aqui aquele texto que mandei pra você, mas não podia deixar de postar alguma coisa. Lembrei que quando estava lendo um livro da Clarice, li esse conto, grifei esse trecho e mostrei pra você dizendo que éramos nós. O resto do conto não corresponde, mas espero que nossa amizade seja eterna, Caldashow! Nunca se esqueça de mim, e eu nunca vou me esquecer de você! Não será uma estrada enorme que vai nos separar. E para mim, você é tão eterno quanto Harry Potter!
Caramba, que texto meloso!

21/11/2013

EU PASSEIIIII!!!!!!!



É isso aí pessoal! Sei que não muda muito pra vocês, mas eu passei pra segunda fase da UEL. O tal monstro que eu estava morrendo de medo, e com razão! Saí da prova no dia quase chorando porque estava muito difícil. Esperei meu pai me buscar na chuva, e eu estava tão nervosa que quase nem conseguia morder minha maçã. Só tem uma questão: eu estou no segundo ano. Mas só o fato de eu ter passado estando no segundo ano, me dá um gás pro ano que vem. Se eu consegui esse ano, ano que vem conseguirei! É isso aí!

20/11/2013

O dia em que tudo ficou tudo bem

É hoje, gente querida, é hoje.

*Estou fazendo layout novo para o VA, e acho que vai ficar muito legal*
*Aguardem*
*Algo muito diferente de tudo, yeah!*

14/11/2013

Sobre pessoas que fazem falta, filmes da Disney e blá blá blá

Afterlife by Arcade Fire on Grooveshark
Acontece mais ou menos assim: a vida é engraçada. A gente acha que tem tudo pra dar erro, pra bugar, pra não andar pra frente. Mas né, se não tivessem coisas bugadas na vida, eu duvido muito que teria alguma graça. Ultimamente ando dizendo que tudo é bugado, e que tudo tem algum problema. E que tudo é maluco e que inclusive, eu sou maluca. Só que é porque - voltando à todaquela coisa de "good vibes for u" - eu tô sentindo um great feeling in my heart que não consigo explicar. Tá legal, eu sei disso.

Tenho um grande amigo, que conheço desde o começo desse ano e que só virei amiga um pouquinho antes das férias de inverno. Acho que ele é uma das únicas pessoas que realmente me entendem nesse mundo. Porque ó, o boy é bugado também. Tem muita coisa louca. Os santos batem, sabe? Um dos únicos pra quem eu conto muitas coisas. Conto pras minhas amigas também, mas é que é diferente. Ter conselho masculino é sempre bom. A gente passou um bom tempo longe; pode ser pelo fato de eu ter mudado de turno no colégio e a gente quase não se ver mais, ou sei lá. O fato é: a gente percebe o quão importante a pessoa é na nossa vida quando fica longe dela. Mesma coisa a vovó. A gente percebe o quanto ela faz falta quando não tem mais ela, com aquele sorriso frouxo, sempre esperando a gente na cadeira de balanço. Não é a mesma coisa.

O legal de fazer amigos é que você sempre tem do que rir. O legal de fazer amigos é que você se sente importante e acha que pode mais. Sempre tem um incentivo, bom ou ruim. O que importa é sempre ter e poder contar. Eu falei no twitter que adoro ter amigos. E isso é realmente verdade. Porque vejam bem: na minha sala, formei vínculo com um pessoal do bem, que zoa, que não quer nada com nada, mas que na real, é mega preocupado com o que vai ser da vida. Sempre tem o piadista que faz muitas piadas ruins, os bobos e o resto dos bobos. Mas isso não importa e eu não tô falando de ninguém específico.

O verão tá de volta, e daqui uns dias todo aquele chororô de "ah meu Deus, o ano acabou, assinemos camisetas e choremos um no ombro do outro porque morreremos de saudade e até ano que vem blá blá blá". Sempre tem isso, né não? E todo ano a mesma coisa de esseanofoiomelhoranodaminhavida. Claro que a gente aprende muito, fica um ano mais velho, cria expectativas e faz dessas expectativas coisas boas. Aprende com os erros, dá uma choradinha e grita com a mãe, e fica de castigo por isso e depois vê que tudo não passou de um sonho de bolo com leite.

E o mais engraçado disso é que a vida é bela. É linda. Tem livros pra gente ler, filmes pra gente assistir, músicas pra gente ouvir, histórias pra gente contar. A vida sempre vai ter alguma surpresinha guardada. Sempre vai mostrar a felicidade pra gente, cedo ou tarde. Sempre vai deixar alguma história legal pra gente contar prozamigo e fazer eles rirem um pouco (ou não, como no meu caso, néahm?). Sempre vai fazer a gente rir da piada boba que o primo conta. Sempre vai surpreender com novas pessoas que você nem imaginava um dia.

Eu gosto de dizer que a vida é um eterno filme da Disney. Daqueles do high school, da mocinha e do jogador de basquete. Do musical. Da casinha na árvore. Porque lá é tudo bonito, mas o casal sempre se ferra pra poder ficar junto, e nananinanão, não é perfeito. Filmes da Disney, por mais que você diga que não goste, quando passar na globo você vai fazer a pipoca e correr pra frente da tevê só pra assistir; as vibes são boas, as músicas são massas e o sorrisão na cara sempre aparece.

Um dia, amores, o cara vai dar um beijo na testa de vocês e falar nossa que legal Lemonade Mouth. Você vai rir com ele e vai tomar coca com crostinhas de gelo. Porque você vai achar, finalmente, o seu filme da Disney. E talvez ele tenha o topete do Alex Turner, ou o rostinho angelical do Ezra. Ou seja apenas alguém que você acha que é.
Untitled
(não é um filme da Disney, mas é um dos romances mais coisa kirida da vyda)
(gostei de escrever isso, mesmo estando no nexo)

11/11/2013

Então eu estou saindo fora

Você pode ser contínuo, diário, não faltar, como também pode ser faltoso, nunca. E eu não sei bem a qual me encaixo.

Sou apenas um bloco de concreto esperando ser encaixado em algum lugar. E ali ficarei. Para o resto da minha vida.

Não sou muito de entender, ou tentar compreender. Eu crio. Aliás, nunca fui boa com interpretação de texto. Não tenho os olhos de quem escreveu. Nunca conseguirei olhar da mesma forma de como quem escreveu. Ou criou.

A questão é: para que ficar com esse monte de filosofia barata de "o melhor jeito de ganhar uma guerra é evitando-a", ou esse tipo de coisa que no fim não tem significado nenhum, se no fim, no fim mesmo, isso não muda nada? São só palavras. E que o que as palavras fazem? Nada. Exato, meu doce.

Estava pensando. Não quero ser agressiva. Eu consigo. Eu estava pensando. Acho que agora, por fim, entendi. Quer dizer, não tem nada para entender.

E por fim, por isso tudo, por toda essa confusão, eu estou saindo fora. E por isso eu acho que não. Enfim. E por esse conflito, eu apenas estou saindo fora. Quer saber? Não há sentido, não há motivo. Há palavras.

Entenda-as e faça o que quiser.

02/11/2013

A cobaia que todos procuram

Gente, eu fico impressionada com a minha mudança de humor repentina. Semana passada eu estava nervosa, irritada, mais chata do que o normal, gripada e ansiosa para o Enem. Essa semana eu estou tão leve, feliz, alegre, contente, de bem com a vida, que estou até me estranhando! Mas uma coisa não mudou de uma semana para outra: a minha opinião sobre a invasão no instituto Royal, e as polêmicas que isso acarretou. Sei que a maioria das pessoas que vão ler esse post vão discordar de mim, mas é apenas a minha opinião, e eu quero expressá-la.

A maioria das pessoas é contra o uso de animais para testes de remédios, cosméticos e maus tratos aos animais. Eu sou contra os maus tratos, e sou contra usar os animais para testes de cosméticos, mas para testes de remédios eu sou bem clara: sou a favor! Me chamaram de ignorante por pensar assim, porém, eu não acho que sou ignorante, pelo contrário, acho que sou ciente.

As pessoas se preocupam tanto com o bem estar dos animais, ou melhor dizendo, dos beagles. Ninguém nunca invadiu nada pra salvar ratos, ou outros animais que são usados como cobaias. Nem invadiu asilos para salvar idosos de maus tratos, ou unidades de acolhimento institucional para ver se crianças são bem cuidadas. Todos os animais, desde um elefante, até um cachorro são indefesos perto dos seres humanos. Nós temos apetrechos que seguram qualquer animal. As pessoas se comoveram com os cachorrinhos porque eles são animais domesticados, a maioria das pessoas tem um cachorrinho em casa.

Mas com tantos cachorros sofrendo nas ruas, foram escolher um instituto que faz pesquisas com remédios para pessoas. Será que eles pensaram nas pessoas com doenças graves que precisam de remédios quando salvaram os beagles? Será que eles pensaram no sofrimento que elas têm, e a esperança que elas mantêm? Acho que ninguém pensou nas pessoas...

E eu aposto que quando algum deles está doente e vai comprar um remédio em alguma farmácia, não pensa como foi testado, só quer aliviar a dor. Eu também não penso nisso quando vou à farmácia. Poderia ser usado algum outro animal, ou talvez não. Mas se usassem outro animal, não seria injusto com eles? E vamos imaginar que parassem de usar animais, desde os ratos até os cachorros, usariam pessoas? Será que algum deles iria querer ser cobaia? Eu não ia querer!

E é por isso que essas pessoas, não apenas as que invadiram o instituto, mas todas as pessoas que pensam que os remédios devem ser testados em pessoas, são falsas-moralistas. Porque na hora que precisam do produto, não ligam em como foi parar na farmácia, e se fosse preciso usar gente, não iriam ser cobaia. Muitos remédios contra doenças graves foram testados em animais, e mesmo que não use algum organismo vivo na hora de fabricar o produto, é necessário alguém para testar o medicamento, então que sejam os animais, e dentre os animais, os beagles são os que possuem o organismo mais parecido com o dos seres humanos!

Apenas lembrando que essa é a minha opinião. Não sou perita nesse assunto, mas é isso que eu penso, se é contra usar cachorros, seja contra usar qualquer animal. E se é contra usar qualquer animal, seja a cobaia protetora dos animais.