21/09/2013

Vamos nos permitir

As vezes fico pensando em como cheguei a esse ponto. Nunca imaginei que isso aconteceria comigo algum dia. Sempre fui do tipo de pessoa que acha que só o que ela gosta é bom, e só é legal quem gosta daquelas coisas. Mas ultimamente percebi que a música que a pessoa ouve, ou o programa de TV que assiste não influência no caráter.

O que realmente importa são os valores que as pessoas têm, as coisas que elas fazem, e não os gostos delas. Eu que sempre me julguei uma pessoa sem preconceito - não me interessa cor, religião, opção sexual, classe social, o que importa é o caráter, honestidade, justiça - mas sempre falava que nunca ia gostar de um menino com gostos diferentes do meu.

Esse texto está um pouquinho meloso, mas foi por causa de uma pessoa que comecei pensar seriamente em ser menos radical, e a aceitar as pessoas como elas são. Sem tentar fazer com que elas leiam, ou escutem as músicas que eu escuto. Além de respeito, devemos ter aceitação. Eu estou gostando de alguém com gostos oposto aos meus, e eu gosto desse alguém do jeito que ele é.

Pode até ser que ele não goste de mim, o que é bem provável. Mas se não der certo, pelo menos eu aprendi que não podemos julgar as pessoas antes de conhecê-las. E que quando se gosta de alguém, as bandas, filmes, e programas que a pessoa gosta, não passam de detalhes. Detalhes insignificantes. Então permita-se experimentar o diferente, mesmo que não goste - eu não suporto o que ele ouve e assiste e ainda assim me permiti. Então permita-se.

4 comentários:

  1. Concordo com você , vamos nos permitir!!
    impossivelsernormal2.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu entendo muito bem disso, a famosa citação que os "opostos se atraem". Sim, ninguém ama uma pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fa de caetano, isso são só referências (como diz aquele texto). Gostamos, amãos ou sentimos atração pelo beijo, pelo toque, pelo encontro dos olhos e mãos, a camisa xadrez e os cds são só gostos e cada um tem o seu. Que graça teria se todo mundo gostasse do mesmo livro e da mesma banda de rock? A graça está nas diferenças e ainda assim, gostarmos da pessoa, ou das pessoas, enfim... pela alegria que ela trouxe pra nossa vida quando entrou nela. Não é? Um abraço apertado e boa sorte com esse gostar. Suspire e viva!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do seu modo de pensar, digno de uma mente evoluída e aberta. Tenho muitos amigos com gosto contraditório ao meu e não me importo. Claro que existem a brincadeira recíproca sobre a merda que o outro gosta. Conflitos... gosto muito deles.
    Respondendo a Duda:
    - Excelente questão, fiquei curiosa com a porta que ela abrirá, como disse.
    Não é fictício, claro que troco nomes e palavras, mas a base é verifica. A maioria está acontecendo no momento exato ao que foi escrito. Os que são fantasiosos demais é porque até minha prof de redação lê o blog. Os últimos, por exemplo, são claros e verdadeiros. Mas então, o que dirá após saber? Aguardo muito curiosa. Ahahaha, abraços.

    ResponderExcluir

Comente, não temos super poderes - uma pena - para acabar com você. Mas diga, e se o Skywalker usasse a Contracorrente e Percy um Sabre de Luz?