05/05/2013

sobretudo é sobre nada

Ela não sabia o significado da vida. Ela não sabia o que era o céu. E a noite. E a lua. E todas as coisas boas que existiam. Mas ela sabia enxergar além. Via os jogos de xadrez como pura diversão, diferente de todos os outros velhinhos que moravam no reformatório. Era coisa de louco, literalmente. Senhores e senhoras abandonados pelos filhos e ela, ali, abandonada por si mesma. Não era bom. Não era ruim. Simplesmente, não fazia diferença nenhuma. Aprendera a viver entre eles, e aprendera a viver, de um modo diferente de tudo o que todos haviam visto.

Cantarolava canções de ninar aos ouvidos dos senhores de oitenta anos que dividiam o quarto em cinco camas. As senhoras praticavam seus dotes em tricô e ela aparava as unhas de cada um cautelosamente. Ninguém se importava pelo fato de seus cabelos vermelhos fazerem bagunça nos móveis e caírem estatelados encharcando o chão com a beleza de seus fios. Não fazia efeito sob seus olhos e nada mudava por ali.

Passavam os invernos e as coisas continuavam como sempre. Chegava o verão, a piscina da hidroginástica se enchia de pessoas enrugadas e com energia pra gastar, e um ser esquelético continuava a cantarolar a única canção infantil e fúnebre que conhecia. Era a morte da vida que nem conhecia, de uma menina do sul que não existia no mundo.
 Large

4 comentários:

  1. Incrivel como vocês escrevem bem, são textos tão profundos!

    Beijinhos, Garota Inocente

    ResponderExcluir
  2. Como se a nossa diferença nos tornasse comuns e insignificantes. Muito bonito!

    Duda, é um personagem do livro "O Guia do Mochileiro das Galáxias" certo? Quero muito ler esse livro, ou melhor, a série. É mesmo bom como falam?

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito daqui, também de um outro blog aí por que achei este (acho que deve ser da mesma blogueira). Ah, muito agradável a mensagem a baixo.
    http://doisquintos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Não sei quem escreveu, só queria dizer que achei lindo. A única coisa linda do meu dia, a única coisa que o fez diferente e valer a pena. E eu estava morrendo de saudades de vocês <3

    ResponderExcluir

Comente, não temos super poderes - uma pena - para acabar com você. Mas diga, e se o Skywalker usasse a Contracorrente e Percy um Sabre de Luz?