09/02/2013

Eu sempre tive consciência de que aproveitei muito a minha infância. Brinquei de todo tipo de brincadeira que se pode imaginar, viajei para muitos lugares, conheci muitas pessoas. Mas agora que já tenho 16 anos, vejo que as responsabilidades começam aumentar. E com isso eu percebo que a aquela criança secreta que vive dentro de mim, tem de ficar adormecida, adormecida na maioria dos dias.

Não dá mais mais pra simplesmente fingir que eu sou uma bruxa e vai chegar um carta de Hogwarts e eu vou pra Lufa-Lufa, pois isso só acontece no Pottermore. Também não dá mais pra pensar que no fim tudo acaba bem, porque algumas vezes não acabam. E principalmente, não acredito mais em príncipe encantado. Eu acreditava nisso até uns 14 anos, realmente pensava que todo mundo tem sua metade da laranja, a tampa da panela, mas não, nem todo mundo tem. Minha tia por exemplo, ela tem 6.3 aninhos e não é casada, não tem filho, e vive muito bem. E isso me faz refletir se realmente quero o que eu quero.

Não quero casar, nem ter filhos, quero ser sozinha, estudar, trabalhar, viajar, e fazer tudo que tiver vontade. Mas meu pai fala que eu só quero isso agora, e mais pra frente vou mudar de opinião, e diz também que não é bom ser sozinha, aí ele fala pra ver a minha tia, e é aí que eu quero mesmo ser sozinha. Também tenho que contar que minha tia tem seis irmãos (cinco irmãs e meu pai), e eu só tenho uma irmã. Mas eu nem ligo, minha irmã vale por cem, e tenho minhas primuxas lindas, muitos amigos, e meus pais, que são quem eu mais amo!

Resumindo, eu ainda quero ser criança mais um pouquinho, e acho que ainda não estou preparada para ser adulta, para votar, e para deixar de acreditar em magia!

Quando comecei escrever, queria escrever outra coisa, mas o texto tomou um outro rumo, e acho que se ele se desviou da minha ideia, é porque essa é melhor, por isso decidi nem apagar e deixar assim.

2 comentários:

  1. Eu vivo um dilema bem parecido com o seu, Marina. Fiz 15 anos agora, e acho que nessa fase você não sabe se é criança, ou se quer as responsabilidades de um adulto, você tenta viver num mundo mágico infantil, mas a idade chega e não dá mais. Ótimo texto, me identifiquei bastante!

    Beijos,
    perucaloira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Também tenho uma tia que não casou, não teve filhos. Alguns anos atrás eu a olhava e ficava horrorizada: como alguém pode viver assim? Eu era muito infantil e sonhadora. Era até parecida com você, a diferença é que sou da Corvinal e ainda acredito em magia. Hoje em dia olho minha tia e penso "Porque ela faria diferente?". As coisas mudam e isso é bom. Pior seria se continuassemos sempre as mesmas, com os mesmos pensamentos e ilusões.

    ResponderExcluir

Comente, não temos super poderes - uma pena - para acabar com você. Mas diga, e se o Skywalker usasse a Contracorrente e Percy um Sabre de Luz?